Os cuidados dermatológicos que melhoram o seu dia a dia

Eczema no adulto

O eczema no adulto caracteriza-se por uma grande diversidade na expressão da doença e na experiência das pessoas afetadas. Algumas pessoas convivem muito bem com o seu eczema; com o tempo, ficam de alguma forma “habituadas". Para outras, o eczema é uma verdadeira “praga”, um fardo que adorariam não ter de suportar.

Eczema atópico

Alguns adultos sofrem de eczema atópico. Muitas vezes, a doença já estava presente na sua infância, continuando ou reaparecendo durante a idade adulta depois de anos em remissão. Em alguns casos, surge pela primeira vez na idade adulta. As principais zonas afetadas pelas placas de eczema são o rosto, o pescoço, as mãos e as pregas cutâneas. Por vezes, a doença apresenta-se de forma mais generalizada (eczema grave). A intensidade da secura da pele e do prurido é frequentemente elevada.

Eczema de contacto

O eczema de contacto é outro tipo de eczema que pode afetar o adulto, especialmente em ambiente de trabalho. Em algumas situações pode levar a uma mudança de emprego ou transferência de posto de trabalho, o que pode ser muito difícil de gerir emocionalmente.

Eczema da mão

O eczema da mão no adulto pode ser uma expressão de eczema atópico e/ou de eczema de contacto. É desencadeado e/ou agravado por eventos alérgicos ou irritantes: contacto com detergentes ou sabões, humidade, maceração, frio, fricção, coçar, arrancar pedaços de pele, etc. É classificado como eczema crónico porque a doença evolui por surtos de agravamento intervalados por períodos de remissão.

Pontos a reter

No adulto, o carácter altamente visível das lesões é muito problemático: o adulto afetado por eczema perde muitas vezes a autoconfiança e tem dificuldade em manter relações profissionais, sociais e românticas. O doente não deve hesitar em pedir ajuda aos seus entes queridos ou a profissionais de saúde. Poderá também contactar uma associação de doentes, como a French Eczema Association. Conversar com outras pessoas afetadas pela mesma doença pode ajudar o doente a sentir-se melhor e menos sozinho