Os cuidados dermatológicos que melhoram o seu dia a dia

A alopécia androgenética

A alopécia androgenética é um dos tipos de queda de cabelo cuja origem é muito diferente das quedas ditas ocasionais. Esta necessita assim um tratamento adaptado.

Alopécia androgenética na mulher e alopécia androgenética no homem: origens e diferenças

A alopécia androgenética é uma queda crónica, durante mais de 6 meses, que se caracteriza por episódios de queda de cabelo que evoluem para uma miniaturização dos cabelos e provocam uma diminuição da densidade capilar. A calvície, a forma mais comum de alopécia, afeta principalmente os homens: 70 a 80% deles são visados ao longo da vida contra 29 a 42% das mulheres*. Aparece geralmente entre 30 e 40 anos no homem mas pode às vezes atingir homens jovens em torno de 20 anos. A queda de cabelo androgenética é de origem hormonal, implicando os receptores de andrógenos presentes na papila dérmica. Estes últimos são nomeadamente estimulados pela dihidrotestosterona, metabólito ativo da testosterona. A estimulação dos receptores de andrógenos ao nível do folículo piloso provoca a sua miniaturização e o aparecimento de cabelos curtos e finos.

A queda de cabelo pode ser importante na mulher como no homem provocando uma perda global de volume. Na maioria das vezes, a alopécia androgenética na mulher, que acontece entre 20 e 40 anos, aparece na parte de cima da cabeça como se houvesse um “alargamento” da risca central. Esta queda de cabelo pode estar igualmente localizada ao nível das têmporas, mas também na zona frontal.

Alopécia androgenética feminina: tratamentos e soluções

Apesar do seu forte terreno hereditário, a alopécia não aparece de um dia para o outro. O fenómeno é lento e pode levar meses, ou até anos para se instalar no couro cabeludo. Para identificar o quanto antes a alopécia androgenética, os sintomas devem ser vigiados: cabelo sem brilho, caspas, comichões do couro cabeludo, cabelo oleoso e mesmo raízes doloridas em certos casos. Trata-se de uma queda de cabelo constante e que dura no tempo com a impressão de que certos cabelos não crescem.
 
Diferentes tratamentos podem ser propostos aos pacientes para aliviar os efeitos pouco reversíveis da alopécia androgenética feminina:
  • Um medicamento é atualmente prescrito no tratamento da alopécia androgenética feminina na Europa e nos Estados Unidos: o Minoxidil que é aplicado diretamente sobre o couro cabeludo. (um outro tratamento, a Finasterida, é reservado unicamente aos homens)
  • O transplante capilar representa outra alternativa terapêutica. A técnica utilizada e os resultados dependem do número de cabelos a transplantar, da qualidade dos cabelos e das características da região receptora.
  • Os produtos cosméticos de aplicação tópica (champô e loção antiqueda por exemplo) assim como os complementos alimentares à base de vitaminas e de minerais podem ser utilizados em associação com os tratamentos medicamentosos ou em tratamento adjuvante.
 
* Fonte: Blume-Peytavi et al., 2011; Norwood, 1975