Os cuidados dermatológicos que melhoram o seu dia a dia

A queda de cabelo e o stress

Os cabelos, como a pele, são sensíveis ao stress. Aliás, não é raro vê-los cair após um choque emocional. Então, o stress pode realmente ser uma causa de alopécia na mulher? Através de qual mecanismo fisiológico ele teria um papel na queda? Nossas respostas.

Stress e queda de cabelo: quais as ligações?

Existe de fato uma ligação entre stress e queda de cabelo assim como existe uma entre queda de cabelo e fadiga. No caso da queda de cabelo e do stress, neurónios próximos dos folículos pilosos são ativados, induzindo uma inflamação responsável pela queda do cabelo. Foi de fato provado que ao nível do couro cabeludo, as células submetidas a um stress pontual ou profundo, libertam neurotransmissores (as substâncias P.) que desencadeiam uma cascata inflamatória aguda. Esta última tem por efeito inibir e desregular o ciclo capilar normal: os cabelos passam então em fase telógena de forma prematura, o que provoca uma queda repentina e brutal 3 a 4 meses após o fator desencadeante. É o eflúvio telógeno agudo, mais comumente chamado queda de cabelo ocasional ou reacional. Sua duração é inferior a 6 meses.

Queda de cabelo devida ao stress: identificar os fatores stressantes do quotidiano

Não se elabora um plano de ataque sem conhecer seu adversário. Esta regra é ainda mais verdadeira para travar a queda de cabelo surgida após uma “queda de stress” e relançar o crescimento dos cabelos. Todos os stress não se parecem. Alguns podem ter causas que convém tratar em profundidade com um profissional de saúde. Existe o stress quotidiano: dificuldades de conciliar vida profissional e vida pessoal, esgotamento, fadiga, carga mental… E existe o stress devido a um choque psicológico importante como a morte de uma pessoa próxima. Um como o outro podem ter um impacto desastroso ao nível do couro cabeludo e sobre o estado de saúde de maneira geral.

Queda de cabelo devida ao stress: existe o tratamento “milagre”?

O eflúvio telógeno agudo requer um tratamento adaptado. Fisiologicamente, o crescimento eficaz de um folículo piloso sadio faz intervir etapas de proliferação celular intensa que necessitam de oxigénio e de inúmeros elementos nutritivos fornecidos aos folículos pelos capilares sanguíneos do couro cabeludo. Um tratamento de apoio cosmético, como os complementos alimentares à base de vitaminas e minerais pode se mostrar útil para estimular o crescimento de uma queda de cabelo devida ao stress. A ação dos complementos alimentares (que têm uma ação interna) pode ser completada com modificações simples da sua rotina de cuidados, nomeadamente utilizando no dia a dia um champô e um após champôs específicos antiqueda. Evitar igualmente de agravar as coisas abandonando as práticas capilares agressivas como a utilização intensa dos aparelhos de alisamento, um secador de cabelo muito quente ou tranças muito apertadas.

A notar que o prazo é de cerca de 6 meses para observar os primeiros resultados de crescimento dos cabelos após uma alopécia de stress e que o retorno ao estado inicial pode levar 12 a 18 meses.