Os cuidados dermatológicos que melhoram o seu dia a dia

A queda de cabelo crónica

O eflúvio telógeno crónico e a alopécia androgenética são duas formas de queda de cabelo crónica. A sua origem é principalmente hormonal mas pode, em certos casos, ser igualmente nutricional ou metabólica.

Eflúvio telógeno crónico: explicações sobre o mecanismo fisiológico em causa

Por oposição à queda de cabelo ocasional ou reacional que aparece geralmente 3 a 4 meses após um fator desencadeante, a queda de cabelo é crónica quando evolui durante pelo menos seis meses. Em linguagem científica, fala-se de eflúvio telógeno crónico. Os distúrbios tireoidianos, a anorexia, a carência de ferro (com ou sem anemia) assim como a tomada de certos medicamentos (retinoides, anticoagulantes, antihipertensores, anticonvulsivantes, etc.) estão entre as suas causas. Este tipo de queda provoca uma diminuição da fase anágena, que dá origem a cabelos mais curtos, atravessando o ciclo capilar mais rapidamente e caindo com mais frequência.

No eflúvio telógeno crónico, a queda de cabelo é menor do que no eflúvio telógeno agudo (queda ocasional). Esta última acontece geralmente de maneira flutuante ao longo de vários anos em mulheres de idade média, tendo originalmente cabelos espessos e brilhantes. As mulheres queixam-se então de observar uma diminuição do comprimento e do volume de seus cabelos.

A alopécia crónica androgenética, a outra forma de queda de cabelo crónica

O que é a alopécia androgenética? Trata-se de uma queda de cabelo crónica caracterizada por episódios de queda de cabelo que evoluem para uma miniaturização dos cabelos e provocando uma diminuição da densidade capilar. Afeta principalmente os homens, 70 a 80% contra 29 a 42% das mulheres* ao longo de sua vida. Aparece geralmente entre 30 e 40 anos nos homens. O mecanismo de aparecimento da alopécia androgenética masculina é hormonal, implicando os receptores de andrógenos presentes na papila dérmica. A velocidade de crescimento do cabelo é então acelerada: esgota-se, cresce cada vez mais fino até cair, de maneira definitiva. Atualmente, apenas dois tratamentos medicamentosos são indicados para reduzir esta queda de cabelo crónica: o Minoxidil e a Finasterida. O primeiro é um tratamento tópico, o segundo um tratamento por via oral que só pode ser prescrito aos pacientes masculinos. Existe uma outra solução mais dispendiosa, mas duradoura: os implantes capilares.
 
* Fonte: Blume-Peytavi e al., 2011; Norwood, 1975