Eczema

O eczema é uma doença da pele que pode ocorrer em qualquer idade. Uma vez que é uma patologia muito frequente (que afeta aproximadamente 20% das crianças e 3% a 4% dos adultos) e relativamente benigna, a generalidade das pessoas tende a minimizar a gravidade do eczema. Ao mesmo tempo, há muitos equívocos em torno do problema. Sofre, ou tem algum amigo ou familiar que sofra de eczema? Se respondeu afirmativamente, saberá que o eczema é uma doença por direito próprio, que pode muitas vezes originar problemas físicos e psicológicos. Gostaria de ter informações precisas e detalhadas sobre o eczema? Está no lugar certo!

O que precisa de saber sobre o eczema

O eczema é uma dermatose crónica inflamatória, ou seja, é uma doença da pele. Alterna entre períodos ativos, conhecidos como surtos, e períodos de remissão sem (ou com muito poucos) sintomas.

No entanto, esta é apenas uma definição geral, pois há diversos tipos de eczema. A forma mais conhecida é o eczema atópico, que afeta sobretudo crianças muito pequenas.

No adulto, o eczema pode manifestar-se de diversas formas: surto localizado no rosto e pescoço, eczema da mão, eczema generalizado, etc. Muito frequentemente, a doença está presente desde a infância, mas pode também surgir subitamente no adulto. Na mulher grávida é impossível prever se o eczema melhorará ou se, pelo contrário, agravará durante a gravidez.

Algumas das restantes formas mais comuns de eczema são: eczema de contacto, no qual as lesões se desenvolvem especificamente após o contacto prolongado com uma substância alergénica, e o eczema crónico da mão, frequentemente causado e/ou agravado pela exposição a agentes irritantes, especialmente no local de trabalho Em todos os casos, pode ter a certeza: o eczema não é contagioso.

Quais são as causas do eczema?

Qualquer pessoa com eczema sonha em encontrar uma única causa responsável pelas suas lesões. No entanto, muitas vezes a realidade é bem diferente, não havendo uma, mas várias causas para o eczema.

O stress é muitas vezes apontado como culpado, mas não é sistematicamente responsável, simplesmente porque o eczema não é uma doença psicossomática (o que significa que não resulta de um estado em que a mente afeta o corpo). Infelizmente, as pessoas poderão ouvir demasiadas vezes que, no "eczema, está tudo na cabeça". O eczema não está na cabeça, mas sim na pele!

A transpiração pode originar alguns surtos e isso necessita da implementação de medidas de prevenção, por exemplo, quando se pratica desporto.

O eczema pode estar associado a alergias. Isto acontece especialmente no caso do eczema de contacto, embora a substância responsável seja muitas vezes difícil de identificar. O agente alergénico pode estar escondido em objetos do quotidiano: numa peça de roupa, num acessório, numa peça de bijuteria ou num cosmético. No eczema atópico, a alergia é muitas vezes menos específica e está mais associada a uma sensibilização aumentada. É determinada geneticamente, não se tratando de uma verdadeira alergia. A hereditariedade desempenha um papel importante no eczema atópico.

Sintomas de um surto de eczema

Um surto de eczema caracteriza-se pela presença de placas vermelhas que não estão claramente definidas, ou seja, apresentam contornos mal delimitados. As placas podem apresentar-se inchadas e com exsudação ou, ao contrário, secas e ásperas. A pele afetada por eczema fica dorida, com sensação de picada e ardor e, sobretudo, causa comichão. O prurido é um sintoma recorrente nos casos de eczema. Quando uma pessoa tem eczema, tem muita dificuldade em se lembrar que não pode coçar-se, pois isso agrava a situação.
Quando uma pessoa tem eczema, tem muita dificuldade em se lembrar que não se pode coçar, pois isso agrava a situação.

Outro importante sintoma do eczema é a secura da pele, especialmente no caso eczema atópico. Essa secura pode espalhar-se da cabeça aos pés, mesmo em zonas que não apresentam placas de eczema. Os diversos tratamentos prescritos pelo médico ajudarão a controlar os sintomas e a melhorar o estado da pele.

O que é o eczema infantil?

O eczema pode ocorrer logo nos primeiros meses de vida. Antes dos 2 anos de idade, o eczema afeta sobretudo a parte externa dos membros, o tronco e as bochechas. Depois idade 2, o condição afeta sobretudo a pele dobras: pescoço, cotovelos, joelhos, punho, tornozelos, etc.

No casos de eczema em bebés e crianças, deverá consultar-se um médico para que possa ser estabelecido um diagnóstico correto e prescrito o tratamento adequado. O médico, e posteriormente o farmacêutico, estarão disponíveis para ajudar a família a compreender e a integrar o tratamento na sua vida diária.

A limpeza é também um importante fator no tratamento. Os doentes com eczema deverão optar preferencialmente por duches rápidos, com água morna e usando produtos de limpeza específicos para a pele atópica.

Viver com eczema no dia a dia

Viver com eczema no dia a dia nem sempre é fácil. A adoção de alguns hábitos simples poderá melhorar o estado da pele e, simultaneamente, a qualidade de vida. Por exemplo, há diversas dicas para reduzir o prurido: baseiam-se essencialmente em tratamentos com aplicação de frio, mas também podem consistir em manter as mãos ocupadas, por exemplo, com uma bola de espuma. É importante evitar coçar as lesões para reduzir o risco de uma infeção secundária e de formação de cicatrizes.

Cuidar da pele, nomeadamente com um produto de limpeza suave seguido de um agente hidratante, deve tornar-se um hábito diário. Adaptar o meio ambiente não deverá envolver a adoção de regras muito rígidas ou dispendiosas. Em vez disso, deverá confiar no bom senso: aspire regularmente, use vestuário de fibras naturais, opte por um detergente hipoalergénico e reduza o uso de amaciadores.

Algumas dúvidas surgem vezes sem conta, especialmente no que se refere à alimentação. É verdade que alguns casos de eczema estão associados a alergias alimentares, contudo, isso não deverá levar o doente a adotar dietas altamente restritivas, pois há um risco de desenvolvimento de deficiências nutricionais, particularmente nas crianças em fase de crescimento.

O tratamento farmacológico e a adoção de alguns hábitos simples para uma vida saudável podem reduzir o número de surtos e melhorar a qualidade de vida.

Zonas afetadas por eczema

O eczema pode afetar todas as zonas do corpo

O eczema na zona abdominal pode manifestar-se nos primeiros meses de vida e, na maioria dos casos, alastra por toda a zona. Pode também ocorrer em zonas localizadas, como no umbigo.

Quando surge nos braços, o eczema manifesta-se nas zonas externas e mais expostas ou, ao contrário, nas pregas cutâneas, como nas dobras dos cotovelos e dos punhos.

Há outras zonas do corpo que podem ser afetadas por eczema, como as costas, os pés ou as pernas. Embora as placas sejam menos visíveis nestas zonas, o prurido e o desconforto estão presentes da mesma forma. No caso do eczema da pálpebra, ou eczema palpebral, a superfície afetada é pequena, mas pode ser particularmente visível e difícil de gerir no dia a dia.

No casos de eczema da pálpebra, ou eczema palpebral, a superfície afetada é pequena, mas pode ser particularmente visível e difícil de gerir no dia a dia. O mesmo pode ser dito sobre o eczema da mão: apertar a mão a alguém pode tornar-se uma grande provação, originando vergonha e desconforto.

O eczema afeta habitualmente o rosto e o pescoço, especialmente no adulto. Isto causa muito constrangimento, sendo, por vezes, difícil lidar com os olhares das outras pessoas. As zonas da nuca e das orelhas também podem ser afetadas. O eczema perioral é muito frequente, tanto nas crianças como nos adultos.

Por fim, o eczema no couro cabeludo deve ser examinado, pois pode estar associado a uma patologia subjacente, como a dermatite seborreica ou a psoríase.

Eczema infantil

O eczema afeta uma em cada cinco crianças, sendo, por conseguinte, muito frequente. O eczema infantil apresenta-se quase sempre como dermatite atópica, um eczema constitucional caracterizado por pele seca e porosa, que fica inflamada rapidamente após o contacto com agentes alergénicos ambientais.
Na maior parte das vezes, as crianças com eczema coçam-se muito e dormem mal. Os tratamentos com corticosteroides tópicos e emolientes costumam resolver os surtos após alguns dias, mas é necessário que as crianças tenham vontade de os aplicar! Para incentivar a criança a aplicar o tratamento, os pais poderão, por exemplo, sugerir que a aplicação seja feita enquanto ouvem música.

Qual é o melhor tratamento para o eczema?

Na maioria dos casos, o tratamento do eczema baseia-se em corticosteroides tópicos para os surtos inflamatórios e no uso prolongado de emolientes para fortalecer e proteger a pele. Há outros tratamentos disponíveis na forma de cremes, comprimidos, injeções; serão prescritos pelo dermatologista especificamente para cada caso. Nos casos de eczema de contacto, a remoção da substância responsável é essencial para a resolução do eczema.
Os diversos tratamentos existentes para o eczema não curam a doença, mas conseguem diminuir o aparecimento de surtos e aliviar os sintomas, especialmente o prurido. Eventualmente, o eczema poderá também desaparecer espontaneamente, por exemplo, à medida que a criança cresce. Entretanto, terá de aprender a “lidar com isso” de alguma forma, e essa será seguramente a parte mais difícil da gestão da doença.

Dermatose ocupacional

Tal como o seu nome sugere, uma dermatose ocupacional é uma doença da pele desenvolvida no local de trabalho. Na maioria das vezes, trata-se de um eczema ocupacional localizado sobretudo nas mãos. A dermatose ocupacional resulta posteriormente no aparecimento de placas vermelhas ásperas e prurido.
São inúmeros os setores em que é possível desenvolver eczema ocupacional: serviços de estética e cabeleireiro, construção e obras públicas, hospitais, etc.
O tratamento de uma dermatose ocupacional assenta simultaneamente em medidas curativas, usando corticosteroides tópicos, e em medidas de prevenção para evitar o desenvolvimento de eczema: uso de luvas, aplicação de um creme barreira isolante, etc.