O que é a dermatite seborreica?

A dermatite seborreica é uma doença frequente da pele e do couro cabelud. É uma condição benigna que, apesar de não ser grave, pode ser constrangedora e ter um impacto significativo na qualidade de vida devido aos seus sintomas. Caracteriza-se pela presença de placas vermelhas cobertas por flocos brancos ou amarelados em zonas oleosas da pele e do couro cabeludo.

Áreas afetadas pela dermatite seborreica

As lesões desenvolvem-se nas chamadas áreas “oleosas” da pele, onde a produção de sebo é maior. As áreas mais afetadas são o couro cabeludo, o sulco entre o nariz e as maçãs do rosto (também conhecido como sulco nasogeniano), mas também nas sobrancelhas, e no espaço entre elas, e no tronco. A dermatite seborreica não está sempre circunscrita a uma única zona, podendo afetar várias localizações no mesmo doente.

Dermatite seborreica no couro cabeludo

A dermatite seborreica no couro cabeludo é a forma mais frequente da doença. Em 95% dos casos(1) de dermatite seborreica, o couro cabeludo é afetado, isoladamente ou em conjunto com outras zonas (rosto, tronco, etc.).
Caracteriza-se por descamação generalizada, com o presença de flocos oleosos, amarelados e pegajosos no cabelo, muitas vezes associada a excesso de sebo, eritema ou vermelhidão e prurido muito intenso. No entanto, também como caspa simples no couro cabeludo.

Dermatite seborreica no rosto

A dermatite seborreica no rosto é a forma mais visível da doença. É menos frequente do que a dermatite seborreica no couro cabeludo (95% dos casos(1)), ainda assim, o rosto é afetado em mais de 60% dos casos(1) da doença. As escamas ou pequenas placas de pele, de tamanhos variáveis, são oleosas e por vezes com presença de crostas. O prurido no rosto é menos intenso do que no couro cabeludo.

Dermatite seborreica no tronco

A dermatite seborreica no tronco é muito menos frequente do que a dermatite seborreica no rosto (60% dos casos(1)) ou no couro cabeludo (95% dos casos(1)). Representa cerca de 30% dos casos da doença(1). Causa a formação de placas vermelhas e escamosas no meio do peito e, mais raramente, nas costas.

Diagnóstico diferencial da dermatite

Os sinais visíveis da doença são suficientes para o médico estabelecer o diagnóstico. Contudo, em alguns casos as lesões podem ser semelhantes às da psoríase do eczema ou da rosácea.
Por conseguinte, é por vezes difícil distinguir estas três patologias:

O eczema manifesta-se em placas vermelhas com bolhas (elevação epidérmica contendo líquido claro) e prurido muito intenso associado à pele seca. Por vezes, é difícil estabelecer a diferença entre eczema e dermatite seborreica. Regra geral, a distinção entre as duas patologias é feita tendo por base a localização da lesão. As lesões do eczema estendem-se bem para lá das chamadas áreas “oleosas”, localizando-se normalmente nas dobras das articulações (cotovelos, joelhos, etc.).

A psoríase é caracterizada por placas eritematosas escamosas. Então, como se pode saber se é psoríase ou dermatite seborreica? Nem sempre é fácil distingui-las. As lesões da psoríase são mais secas, mais espessas, mais definidas, mais eritematosas e, na sua grande maioria, localizam-se nas zonas de fricção, como os cotovelos, joelhos, canelas, sacro, etc. A distinção é mais difícil de fazer no rosto, sendo por isso que a doença é referida como sebo-psoríase.

A rosácea, de origem vascular, caracteriza-se por vermelhidão crónica no nariz, nas maçãs do rosto e, por vezes, no queixo e na testa. Estes sintomas podem ser acompanhados de sensações de formigueiro. Às vezes, as lesões causadas pela rosácea podem assemelhar-se às da dermatite seborreica, mas a ausência de escamas sobre a superfície da pele constitui a característica distintiva.

Dermatite seborreica no bebé

Quando a dermatite seborreica afeta os bebés, a doença designa-se por crosta láctea .Ocorre a partir das primeiras semanas de vida. Tal como na dermatite seborreica no adulto, é causada, entre outras coisas, por um fungo do género Malassezia que se desenvolve excessivamente na pele de alguns bebés.
Podem ser afetadas três zonas:
  • Couro cabeludo
  • Nádegas
  • As pregas da pele
Nos bebés é recomendada a utilização de produtos específicos, adequados para o tratamento da crosta láctea

(1) Misery L. Dermatite séborrhéique. EMC - AKOS Traité de Médecine. (2011), pp. 1-5

Nossas rotinas de cuidado

 
A minha rotina anti-vermelhidão e escamas para rosto e corpo (DS)

Ação calmante sobre pele irritada e a descamar

Teste esta rotina A minha rotina anti-vermelhidão e escamas para rosto e corpo (DS) > Ver a minha rotina

 
A minha rotina anticaspa DS

Ação contra a caspa oleosa associada ao prurido

Teste esta rotina A minha rotina anticaspa DS > Ver a minha rotina
Ver todas as rotinas de cuidados