O eczema é contagioso?

Este é um preconceito frequentemente associado à maioria das doença da pele, mas deve ser categoricamente refutado no caso do eczema. Não, o eczema não é contagioso nem se deve à falta de higiene. Isto é verdade para todas as formas da doença: eczema atópico, eczema de contacto, eczema crónico da mão e eczema da gravidez. Não é possível “apanhar” eczema a apertar a mão de alguém ou a dar-lhe um beijo no rosto. Também não o apanhará se nadar na mesma piscina com alguém que sofra de eczema ou se usar a mesma toalha.

Eczema em crianças

A criança com eczema pode ir normalmente à escola, sem o risco de “contaminar" os seus colegas de turma. Infelizmente, as reações das outras crianças, dos outros pais e, por vezes, até mesmo de algum professor, podem ser cruéis e difíceis de gerir. Nessas situações é necessário explicar a doença e o tratamento, assim como o facto de o eczema crónico não ser contagioso. Nesse caso poderá ser útil marcar uma reunião com o professor ou apresentar um atestado médico.

Prevenir uma infeção secundária

No entanto, há situações em que o eczema pode apresentar uma superinfeção. Se isso acontecer, a criança poderá ter de faltar à escola temporariamente. As principais infeções secundárias são bacterianas: as lesões do eczema começam a exsudar e ficam cobertas de crostas amareladas. São prescritos tratamentos tópicos e, eventualmente, antibióticos. As infeções secundárias virais são essencialmente causadas pelo vírus herpes e podem ser muito graves. Para as prevenir, durante os surtos evite o contacto com qualquer pessoa que apresente uma infeção herpética ativa.

Pontos a reter

Siga sempre estas regras de bom senso: não toque nas lesões, exceto quando estiver a aplicar o tratamento; lave as mãos antes e depois do tratamento; use as unhas curtas; consulte o seu médico o mais rápido possível se observar qualquer alteração no aspeto das lesões ou outros sintomas gerais, como febre ou fadiga.